Quarta-feira, 13 de Julho de 2011

Modificação do Clima (Parte 4) - HAARP

 

BM. às 01:28
link | comentar

Modificação do tempo (Parte 3)/Consequências do poder Político para a Inv. Científica

Contudo, importa bastante analisar as consequências de todo este assunto, podendo, como em tudo, haver perspectivas positivas contrastando com as negativas. Para começar, importa frisar que sempre foi objecto de estudo por parte da ciência a modificação do tempo, havendo inclusive alguns inventores, que trabalham por conta própria e de forma independente em relação a qualquer governo, e que têm vindo a procurar descobrir misturas gasosas capazes de controlar a precipitação. Sendo que o nível destes inventores não é comparável ao dos cientistas financiados pelo governo norte-americano. Assim, e começando por avaliar as consequências positivas, é possível concluir que a ciência acaba por se desenvolver bastante, isto é, sendo o assunto em investigação do interesse do governo, o financiamento ao dispor da ciência é muito superior, tal como as diversas infra-estruturas e equipamento necessários, saindo a ciência como grande beneficiada. Pode-se ainda dizer que é possível que também outras áreas saiam beneficiadas uma vez que o forte desenvolvimento de uma determinada área da ciência acaba sempre por também influenciar positivamente diversas outras áreas científicas, havendo assim uma clara evolução.

Por outro lado, interessa referir, que por muitos que sejam os financiamentos disponíveis a investigação científica nunca deve, na minha opinião estar condicionada, isto é, seguir os interesses de outros campos. Deve sim permanecer sempre totalmente independente para que seja a própria curiosidade o veículo da investigação, sendo que como é do conhecimento geral, qualquer pessoa ou instituição trabalha melhor livremente do que condicionada por qualquer tipo de factores externos, ou seja, impor linhas de investigação rigorosas à ciência não é a melhor forma de se alcançar os objectivos da mesma, verificando-se um claro paradoxo sem solução entre influência política e ciência.

Em suma, é normal a ambição do Homem em querer controlar o tempo, tal a importância que este representa, a vários níveis para as diversas nações. Contudo, estas mesmas investigações e projectos poderão vir a ter consequências ainda desconhecidas no futuro (muitas delas danosas ao Planeta), sendo que se trata de um caso claro do modo como a ciência e a investigação científica são conduzidas em função dos interesses políticos. Embora na minha opinião isto nunca devesse acontecer, há outros interesses como questões monetárias e mesmo ao nível de prestígio que certos cientistas preferem conservar, ao invés de manterem-se fieis aos princípios da ciência e a poderem conduzir de forma livre as suas próprias investigações.

            

BM. às 01:26
link | comentar

Modificação do Clima (Parte 2)

Este poderoso projecto, cujos fins são desconhecidos para a grande maioria das pessoas, poderá a vir a exercer uma tremenda influência no tempo, nos próximos anos, sendo actualmente, e como já anteriormente referido, o mais desenvolvido projecto nesta área. Assim, este ambicioso projecto demonstra na perfeição a forma como a política pode efectivamente afectar a ciência, e como condiciona, podendo ser ou não benéfico. 

A modificação do tempo representa um importante progresso na comunidade científica, uma vez que não se trata propriamente de uma questão fácil, isto é, apesar das muitas tentativas ao longo do passado, ora com jactos que tentavam “criar” e modificar nuvens, ora com emissão de gases, mas nunca como agora. O tempo pode, de facto, ser um importante obstáculo, quer do ponto de vista económico como militar.

Em estudos recentes, elaborados nos EUA, e surpreendentemente para muitos, revelou-se que os tornados e furacões, todos os anos, criam enormes milhões de prejuízos, quer ao nível material como humano, representando muitos milhões de dólares para o governo americano. Tudo isto faz com que, de facto, se procure eliminar as consequências de tais tempestades, ou até mesmo eliminar as tempestades. Esta é uma das principais razões que faz o governo americano influenciar a investigação, de modo a que esta reduza os custos dos furacões, ou mesmo que os elimine. A outra razão, e não menos importante é a influência que ao nível militar que o tempo pode representar. Há um exemplo muito claro disto, que foi acima mencionado, o da Guerra do Vietname. Foi talvez a primeira vez que uma nação tentou modificar o tempo para seu benefício, sendo que foram os EUA a faze-lo através do seu Departamento de Defesa, numa operação que ficou conhecida como “Operação Popeye”. Nesta operação, os EUA conseguiram, através do envio de jactos, que com gases, aumentaram os níveis de precipitação, inundando assim por completo, os locais por onde os seus adversários passavam, conferindo-lhe vantagem clara. O “Popeye” veio a descoberto, mais tarde, quando o jornalista Jack Anderson, em 1971, publicou a história e denunciou o caso. Contudo, nunca mereceu qualquer tipo de comentários por parte do Pentágono, tal como no caso do HAARP.

Contudo, e depois deste caso, foi regulamentado o “crime” de modificação temporal, através daConvention on the Prohibition of Military or Any Other Hostile Use of Environmental Modification Techniques”, em inglês.

Fica assim demonstrado os diversos interesses que a modificação do tempo representa, neste caso para os EUA, que têm a elite da comunidade científica, e assim exercem enorme influência nesta mesma comunidade, chegando mesmo a “desviá-la” para as suas bases secretas, como a “Área 5” (cuja existência é negada), e onde se fazem algumas das mais evoluídas experiencias, a todos os níveis científicos.

BM. às 01:25
link | comentar

Modificação do Clima (Parte 1)

Ao longo dos tempos, um dos grandes objectivos da Humanidade sempre foi poder ter o controlo do tempo, de forma a poder manipulá-lo com o objectivo de servir os seus interesses. Para isso, desde há muitos anos que têm sido feitas diversas experiencias e desenvolvidas investigações. Um exemplo muito específico disto, foi o que aconteceu na Guerra do Vietname em que os EUA utilizaram a modificação do tempo. Desde então, diversas novas técnicas têm sido desenvolvidas e experimentadas, neste que é um dos melhores exemplos possíveis da forma como a politica pode influenciar a ciência, neste caso a desenvolver novas técnicas, para seu proveito, mais concretamente, do exército.

Para exemplificar este meu ponto de vista, vou usar o mais esclarecedor e melhor exemplo, os Estados Unidos da América. Os EUA têm, muito provavelmente o mais desenvolvido sistema de manipulação do tempo (pelo menos que seja conhecido), baseado num projecto conhecido por HAARP. O projecto High Frequency Active Auroral Research Program (HAARP), em português: Programa de Investigação de Aurora Activa de Alta Frequência, é uma investigação financiada pela Força Aérea dos Estados Unidos, a Marinha e a Universidade do Alaska com o propósito oficial de "entender, simular e controlar os processos ionosféricos que poderiam mudar o funcionamento das comunicações e sistemas de vigilância".
Iniciou-se em 1993 para uma série de experimentações que duraram cerca de vinte anos. É similar a numerosos aquecedores ionosféricos existentes em todo mundo, e tem um grande número de instrumentos de diagnóstico com o objectivo de aperfeiçoar o conhecimento científico da dinâmica da ionosfera.

Contudo, é quase um dado adquirido que o projecto HAARP é uma arma dos Estados Unidos, capaz de controlar o clima provocando inundações e outras catástrofes.

Alguns exemplos de organizações que tentaram denunciar e acabar com o projecto foram, em 1999, quando o Parlamento Europeu, emitiu uma resolução onde afirmava que o Projecto HAARP manipulava o meio ambiente com fins militares e, em 2002, o Parlamento Russo, apresentou ao presidente Vladimir Putin um relatório assinado por 90 deputados dos comités de Relações Internacionais e de Defesa, onde se alegou que o Projecto HAARP seria uma nova "arma geofísica", capaz de manipular a baixa atmosfera terrestre.

O HAARP utiliza uma tecnologia de ondas de rádio super-potentes, concentradas num raio e aquecendo zonas da ionosfera (camada mais superior da atmosfera), as ondas electromagnéticas regressam então à superfície terrestre penetrando em tudo (seres vivos ou não). Digamos que é um “aquecedor” ionosférico, podendo modificar a composição molecular de certa região da atmosfera, dar-lhes uma predominância maior, por exemplo poderiam ampliar artificialmente as concentrações de ozono, de nitrogénio e mais gases. As emissões de alta frequência do HAARP podem causar danos desconhecidos e gravíssimos na ionosfera, e no campo magnético terrestre. Por meio dessas antenas Haarp (36 no total) podem ser transmitidos biliões de watts de energia para a atmosfera, fazendo “ferver” a ionosfera, transformando-a numa "antena", que envia os reflexos de volta  para a Terra. Enviam para o alto ondas ELF, de frequência ultra baixa, mas elas regressam em ondas longas, podendo posteriormente enviar enormes quantidades de energia para onde queiram. Em breve, os EUA ambicionam aumentar o numero de antenas, chegando às 360. 

BM. às 01:19
link | comentar
Terça-feira, 12 de Julho de 2011

Jornalismo?!

 

 

 

 

 

Aproveitando o escândalo do 'News of the World' por terras de sua Majestade, devia-se aproveitar para reflectir sobre o tipo de jornalismo que se faz por Portugal, nomeadamente ao nível dos 'Correio's da Manhã' desta vida e do jornalismo desportivo. Em suma, mais Jornalismo, menos Terrorismo!

 

Créditos a 'Rodrigo', pelo cartoon publicado no 'Humoral da História', do site do Expresso.

BM. às 19:02
link | comentar

Agências de Rating, Hoje e Sempre.

Eis que Portugal arranjou um novo bode expiatório para a crise, principalmente um novo desviar de atenções. Atenções que certamente seriam mais necessárias noutros assuntos.. Ora bem, todos sabemos e reconhecemos o comportamento das Agências de Rating (e há que dizê-lo) como vergonhoso, não só por nos terem baixado o rating do nada, sem razões para tal (inclusive depois de novas medidas de austeridade), mas também pela curiosa insistência em manter o rating dos EUA no nível máximo. Obviamente ninguém acredita em coincidências, ainda para mais envolvendo o benefícios dos EUA. Mas isto tudo, já nos sabemos, aliás é o que mais se tem falado em Telejornais, Jornais, revistas, redes sociais, etc. Aquilo que poucos parecem ver, é o porquê por trás de tudo isto. Benefício dos Americanos? Claro, mas como? Aquilo que se está a assistir é a uma clara tentativa de destruição da UE e do Euro. Assiste-se actualmente a uma Guerra EUA vs Europa, Dólar vs Euro. E é aqui que temos que ser mais inteligentes. Como? Em vez de virmos falar para a televisão que é ridícula a decisão destas agências, é altura dos principais responsáveis políticos Europeus tomarem medidas sérias, retirando o poder que estas agências têm e não deveriam ter de arruinar a vida de milhões de pessoas. 

 

Felizmente, para todos nós, parece que depois do inexplicável corte do rating a Portugal por parte da Moody's fez-se luz na cabecinha de muito boa gente por essa Europa fora. A primeira medida partiu da parte do BCE, dizendo que vai passar a ignorar a cotação dos Americanos aquando da necessidade de financiamento por parte dos países em crise. A segunda e principal, surgiu da ameaça de criação de agências de rating na Europa e na Ásia. Isto sim, servirá para assustar os Americanos, que terão de passar a preocupar-se mais com o estado da sua Economia e das suas Finanças do que em destruir o Euro. Vamos ver como entretanto os dirigentes políticos continuam a agir perante os constantes ataques à coesão Europeia, que muitos designam condenada ao fracasso. 

 

Importa ainda referir que nada disto serve para desculpabilizar as políticas governamentais postas em prática em Portugal nos últimos 10/15 anos, de total descontrolo das Finanças Públicas, simplesmente serve para dar conta dos ataques a que a Europa (e consequentemente Portugal) tem vindo a ser sujeite, por parte daqueles que ironicamente iniciaram este crescente efeito dominó pelo Planeta. 

tags:
BM. às 16:23
link | comentar
Segunda-feira, 11 de Julho de 2011

Mais um.. !

 

 

Desde as 21h de Sexta-feira que o planeta Terra tem um novo país, de seu nome Sudão do Sul. 'Milhares de pessoas celebraram na capital Juba o nascimento da nova nação africana', podia ler-se em milhares de redacções um pouco por todo esse Mundo fora.. A única dúvida é: por quanto tempo mais poderão festejar? Os mais crentes poderiam argumento com o facto de terem tudo para se tornar numa nação desenvolvida, baseando a sua economia no petróleo que possuem (o Sudão do Sul ficou com 75% da exploração petrolífera do Sudão). Contudo, convém relembrar que estamos a falar de uma nação Africana, e sem qualquer tipo de preconceito mas também sem palas, posso dizer que nasceu mais um país com enormes potencialidades, cuja única coisa que irá permitir é que mais uma vez uma porção mínima da população viva à custa dessas mesmas potencialidades, com 90% da população passando fome. Enfim, nada de novo por África..

 

PS - Fica ainda um link com algumas fotos que procuram relatar um pouco da realidade deste novo país: http://www.boston.com/bigpicture/2011/07/south_sudan_a_new_nation_rises.html


BM. às 18:01
link | comentar

Apresentação

Blog criado com o intuito de abordar todos e mais alguns assuntos, desde Economia à Política, passando pelo Desporto. Tendo, obviamente, sempre como pano de fundo o estado do País e a realidade do mesmo.

 

Cumprimentos

BM. às 00:05
link | comentar
 

Posts Recentes

森の木琴

O que Portugal tem de Mel...

Liberdade

De acordo.

Perfeito para deprimir !

Pobre Ensino..

Agradável Surpresa, para ...

Le Tour!

O Comunismo e a sua ilega...

U2 !

tags

todas as tags

Arquivos

Julho 2011